Home Descubra LuxemburgoAgenda Gutland: Uma Entrevista com o Diretor Luxemburguês Govinda Van Maele

Gutland: Uma Entrevista com o Diretor Luxemburguês Govinda Van Maele

by A. Esposito
Gutland

O escritor da City Savvy, Alessandro Esposito, sentou-se com o diretor Govinda Van Maele para nos dar uma idéia do seu novo filme, Gutland, que estreia (com legendas em inglês) no dia 2 de maio no Kinepolis Kirchberg. Clique aqui para concorrer a 2 ingressos!

O “horror vacui” é um postulado atribuído a Aristóteles, e é comumente traduzido para “A natureza abomina o vácuo”: em outras palavras, a natureza em sua essência não permite o vazio. Esta é também a ideia que pode germinar na mente do espectador depois de assistir “Gutland”, o novo filme de Govinda Van Maele: uma história sobre Luxemburgo e a sua região homônima de Gutland, que cobre 68% do território do país e, mais importante, que é moradia da grande maioria de sua população. Uma população que, de acordo com o Sr. Van Maele – um escritor, produtor e diretor nascido em Luxemburgo, nem sempre é notável por sua transparência e abertura para o mundo exterior:

“Todos nós tacitamente concordamos em manter certas coisas quietas – explica o Sr. Van Maele – e sempre nos certificamos de que Luxemburgo seja visto como uma utopia européia enquanto, na verdade, nós temos uma série de eventos obscuros que nunca são notícia e que deveriam ser”.

“Gutland” é a história de uma comunidade possivelmente perfeita que parece esconder um pequeno segredo; uma cidade pequena e as ações que são tomadas para proteger sua integridade, especialmente quando um foragido estrangeiro tenta se esconder entre eles. “Esta é uma história anacrônica sobre uma comunidade luxemburguesa como teria sido 20 ou 30 anos atrás – continua o Sr. Van Maele – e a maneira como escolhe permanecer depois que sua composição original, e verdades ocultas, são colocadas em risco pela chegada de um novo componente do mundo exterior ”.

O roteiro leva esses conceitos e magistralmente os desenvolve em um filme visualmente potente que usa uma ampla gama de cores e mistura gêneros diferentes, de thriller a filmes de arte americanos e europeus, com tributos claros a David Lynch e Alfred Hitchcock, transformando a história em ação muito física que não poupou a equipe de fadiga e desafios. “Nós tivemos alguma tensão no set – ri o Sr. Van Maele – mas toda a equipe é composta de pessoas com quem fazemos filmes desde que éramos crianças, porque o que eu tenho cuidado com o filme é, por outro lado, também a verdadeira beleza de Luxemburgo: é uma comunidade inegavelmente pequena, com muito potencial e recursos, e todos crescemos cercados de possibilidades e pessoas que contribuem para o nosso crescimento intelectual e, em muitos casos, acabam por se tornar nossos amigos ”.

E o que amigos o Sr. Van Maele fez, se ele pode contar entre eles (e como parte da equipe de seu filme) o protagonista Frederick Lau (sua performance é simplesmente notável) e Vicky Krieps, a embaixadora da indústria cinematográfica de Luxemburgo por todo o mundo depois da sua performance no filme “Phantom Thread” de Paul Thomas Anderson, contracenando com Daniel Day-Lewis: “Algumas experiências podem mudar você – diz o Sr. Van Maele sobre a Sra. Krieps – mas ela sempre permaneceu muito próxima a nós como amigos e nossa produção, e ela esteve conosco na estreia do filme na Bélgica, apesar de seus compromissos atuais em Hollywood ”.

Muito bem recebido no Festival Internacional de Cinema de Toronto e já apresentado em Tóquio, Cairo, Coréia do Sul e premiado na França e na Itália, “Gutland” é um grande exemplo da nova onda de filmes luxemburgueses que está tornando nossa comunidade conhecida no mundo e ajudando tantos talentos virem à luz; absolutamente vale a pena assistir.

You may also like

Leave a Comment

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.